Biden toma posse enquanto democratas assumem o controle pelos capitalistas

A posse do 46º Presidente dos Estados Unidos não foi marcada pela pompa e circunstância típicas de tomadas de posse anteriores. Durante dias, o distrito militarizado do centro de Washington, DC, foi descrito como uma “fortaleza sitiada”, patrulhada por 25 mil soldados da Guarda Nacional. Os soldados montaram postos de controle de segurança em toda a cidade e centenas de soldados foram acomodados nos corredores do próprio edifício do Capitólio. As cenas levaram a comparações com a entrada sob disfarce de Lincoln na capital, na véspera da Guerra Civil, ou a moderada cerimônia inaugural de Franklin Delano Roosevelt, realizada durante a Grande Depressão.


[Source]

Durante a última semana do mandato de Trump, o correspondente da Casa Branca para o New York Times expressou a perspectiva do establishment desde Washington enquanto via sua “cidade brilhante sobre uma colina” se tornar um símbolo de polarização violenta e de declínio, deixando a “em baixa a reputação do Estados Unidos no cenário mundial”:

O país se fragmentou profundamente e perdeu o sentido de si mesmo. Noções de verdade e realidade foram atomizadas. A fé no sistema diminuiu. A raiva é o único terreno comum. Os historiadores têm se esforçado para definir esse momento… o momento histórico em que éramos o modelo basicamente acabou.

Joe Biden é agora oficialmente o presidente e anunciou grandes planos para seus primeiros cem dias no cargo. Os democratas querem que o relógio retroceda aos “bons velhos tempos” de Obama, e desfrutarão de um tripé político – o controle da Casa Branca e de ambas as casas do Congresso. Eles não terão desculpas para não aprovar leis apoiadas pela maioria dos americanos. Mas, embora a nova administração tenha um estilo muito diferente do de Trump, não nos enganemos: este continua sendo um governo de, por e para as grandes empresas. Milhões podem estar dando um suspiro coletivo de alívio, mas não vamos esquecer que os “bons velhos tempos” também foram dias de exploração, opressão, deportações em massa, miséria e mal-estar – e foi isto que, em primeiro lugar, pavimentou o caminho para a ascensão de Trump ao poder.

Portanto, embora uma gota d’água possa ser um alívio no deserto, os trabalhadores não devem esperar nada mais do que um punhado de “reformas” limitadas para amenizar a crise mais séria já enfrentada pelo capitalismo americano. Como Roosevelt antes dele, a tarefa de Biden é tentar salvar o sistema de si mesmo – com o apoio dos líderes sindicais e reformistas de todos os matizes.

A fase final da eleição de 2020 terminou, em 5 de janeiro, com o segundo turno do Senado dos EUA na Geórgia. Os democratas conquistaram as duas cadeiras e agora têm controle efetivo sobre o Senado. Em um Senado dividido pela metade, a vice-presidente Kamala Harris, como presidente do Senado, pode romper todos os laços em favor de seu partido. A obstrução é uma regra no Senado que exige uma supermaioria de 60 para que o órgão encerre o debate e passe a uma votação. Ela concede à minoria poder de veto de fato sobre a maioria e é frequentemente usado como uma desculpa conveniente para não fazer a legislação avançar. Mas, como as mudanças nas regras do Senado podem ser feitas por maioria simples, os democratas podem agir a qualquer momento para eliminar essa regra arcaica e não democrática.

A marca registrada do governo da classe capitalista americana tem sido o sistema bipartidário. Em um país onde o 1% mais rico possui 40% da riqueza do país, enquanto os 90% mais pobres possuem apenas 23%, a classe dominante quer garantir a manutenção de seu sistema de propriedade privada dos meios de produção. Eles há muito veem seu domínio facilitado, ao dar às pessoas a ilusão de uma “escolha” entre dois partidos que podem variar superficialmente, mas que, em última análise, representam os interesses fundamentais dos capitalistas. Como a escolha entre a Pepsi e a Coca, ninguém tem permissão para perguntar se devemos consumir cola para começar. E na política, ninguém deve questionar por que a classe trabalhadora não tem partido próprio.

É a burguesia quem escreve as leis e as regras, então estas naturalmente criam barreiras para que novos partidos disputem as urnas. Quando os novatos superam esses obstáculos, as regras tornam difícil ganhar posições e manter o status eleitoral. Mas, o que é mais importante, a classe dominante usou a tática de recompensas e punições para manter os líderes trabalhistas firmemente na linha e para marginalizar a esquerda – embora muitos na esquerda tenham feito o jogo adotando políticas oportunistas ou sectárias.

Por décadas, o pingue-pongue entre republicanos e democratas fez maravilhas para os capitalistas, pois eles controlavam firmemente ambos os partidos. Mas os “melhores esquemas entre ratos e homens” foram alterados nos últimos anos. A dialética explica que as coisas se transformam em seu oposto, e isso se aplica também à “democracia capitalista mais estável do mundo“.

A crise do sistema aconteceu em um país sem um partido de massas dos trabalhadores. Como a natureza, a política abomina o vácuo, e as pressões da luta de classes devem encontrar uma saída de uma forma ou de outra. As divisões na classe dominante e a confusão política generalizada levaram a profundas divisões em ambos os principais partidos. O Partido Republicano foi assumido por Trump e a extrema-direita da burguesia e da pequena burguesia, apoiados por milhões de trabalhadores enfurecidos e fartos do status quo liberal. Com Trump demitido do cargo e perseguido por polêmicas – para não mencionar um segundo impeachment por “incitar a insurreição” – uma guerra interna violenta irrompeu novamente no Partido Republicano e poderia realmente haver uma divisão em um futuro não muito distante.

Com Trump fora do cargo e sendo julgado, como ex-presidente, o verdadeiro objetivo da campanha de impeachment é evidente: impedi-lo de ocupar cargos federais no futuro, na esperança de interromper outra disputa em 2024. O líder republicano no Senado, Mitch McConnell, aparentemente vê uma oportunidade de expurgar seu partido do trumpismo, embora ainda não se saiba se a maioria de dois terços do Senado será reunida. O que está claro é que esse tipo de manobra não vai eliminar a crescente polarização da sociedade e não serve de nada aos interesses da classe trabalhadora. Com dezenas de milhões ainda convencidos de que as eleições foram ilegítimas, as fileiras republicanas não estão prestes a retornar silenciosamente ao status quo pré-Trump, mesmo que isso signifique se mover em direção a um trumpismo sem o Donald na chapa, ou sair do Partido Republicano completamente.

Os democratas também estão divididos, mas agora que estão no poder, provavelmente conseguirão manter seus governantes eleitos na linha. A “ala esquerda” do partido, incluindo o “Esquadrão” [grupo de mulheres congressistas], entrou em ação e está desempenhando o papel de apoiar o establishment democrata a partir da esquerda. Como exemplo, considere-se o fato de que todo o “Esquadrão”, incluindo seus novos membros, votou para eleger Nancy Pelosi como Presidente da Câmara. Pelosi venceu por pouco. Os poucos democratas que votaram contra ela eram da ala direita do partido. Com o poder vem o patrocínio: “concessões” para os estados e distritos eleitorais, cargos e “favores” que podem unir aqueles ao partido do governo. Um excelente exemplo disso é a elevação de Bernie Sanders à presidência do poderoso Comitê de Orçamento do Senado.

Dinheiro e os democratas

Apesar do impulso temporário que Trump deu aos republicanos, os democratas continuam sendo o principal partido capitalista em nível nacional. Eles “administram os assuntos da classe dominante” em estados como Califórnia, Nova York, Illinois e Massachusetts, e agora controlam os vastos recursos e aparatos do governo federal.

Em todas as eleições importantes, as grandes empresas e os ricos dão dinheiro a ambos os partidos para que possam pedir favores depois, não importa quem ganhe. Em 2020, mais dinheiro foi para os democratas do que para os republicanos. Michael Bloomberg, sozinho, gastou US$ 100 milhões de sua própria fortuna na Flórida, em uma tentativa fracassada de derrotar Trump lá. O burguês sério queria alguém mais confiável do que o “gênio muito estável” que ocupava a Casa Branca. Conforme relatado por Jim Zarroli na NPR:

Dos quase US$ 800 milhões doados a políticos por corretoras de valores, bancos, imobiliárias e seus funcionários até 30 de junho, pouco mais da metade foi para os democratas. Isso quase nunca acontece. Embora Wall Street tenha se tornado grande para Barack Obama em 2008, ela voltou para o Partido Republicano após a aprovação do projeto de reforma financeira Dodd-Frank e tem sido uma republicana confiável desde então.

E de acordo com a Bloomberg:

Os doadores de Wall Street deram mais dinheiro ao presidente eleito Joe Biden do que ao presidente Donald Trump… No geral, as contribuições para os candidatos democratas à Câmara e ao Senado, cerca de US$ 68 milhões, excederam as contribuições para os republicanos em cerca de US$ 55 milhões, mas em ambas as câmaras, os reais vencedores foram os que já se encontravam no cargo. Quase três quartos do dinheiro doado por funcionários de empresas financeiras foram para candidatos que já ocupavam o cargo.

Não há dúvida de que o dinheiro é uma grande influência na política e no governo. Alguns na esquerda argumentam que deveria haver financiamento do governo para as campanhas, que isso tiraria o dinheiro da política. Mas esta é uma fantasia utópica. Mesmo que houvesse financiamento total do governo para as campanhas, enquanto os partidos no governo tentassem administrar o capitalismo, eles ainda seriam controlados pela classe dominante. É o próprio sistema que dita os parâmetros de políticas aceitáveis ​​e não há muito espaço de manobra quando o capitalismo está em declínio. A única saída é quebrar esses grilhões. O que é necessário é um governo dos trabalhadores baseado em políticas socialistas.

A necessidade de uma alternativa da classe trabalhadora

A única coisa que uniu a “coalizão” de eleitores de Biden, entre as classes, foi sua oposição a Trump. Isso culminou no segundo impeachment do presidente e em seu julgamento no Senado. Mas agora que Trump está fora, a unidade temporária daqueles que votaram nos democratas por falta de alternativa e os defensores liberais do capitalismo vai começar a ruir.

Quem espera uma mudança fundamental de Biden e dos democratas ficará profundamente desapontado. Enquanto projetam uma visão ousada em palavras, um olhar mais atento revela que eles tiveram o cuidado de não prometer nada que já não tivesse sido feito pelos gestores presidenciais anteriores do capitalismo.

Devemos ser muito claros sobre o que é uma reforma fundamental. Em uma sociedade onde o trabalho da classe trabalhadora, juntamente com os recursos naturais do mundo, cria toda a riqueza, a maior parte dessa riqueza vai para os 10% mais ricos – e especialmente para os 2% mais ricos. Uma mudança real nessa configuração significaria salários significativamente mais altos, melhores e mais benefícios de serviço social, financiados diretamente com os lucros, os arrendamentos, os juros e a propriedade que atualmente são monopolizados pelos ricos.

No passado, quando os democratas legislavam “reformas”, esses programas eram pagos por setores da classe trabalhadora e da classe média. Keynesianos e proponentes da chamada “Política Monetária Moderna” argumentam que os gastos deficitários podem facilmente pagar por tudo isso. Mas no mundo real, a dívida tem seus limites e, eventualmente, haverá aumentos de impostos sobre os trabalhadores, cortes nos gastos sociais e inflação.

Biden propôs um pacote de US$ 1,9 trilhão para lidar com a pandemia e tentar evitar que a economia afunde ainda mais no pântano. Esta não é uma reforma, mas uma tentativa de impedir que o navio capitalista naufrague. Os cheques de estímulo e os benefícios de desemprego certamente ajudarão milhões de pessoas a não afundar completamente, mas essas ninharias não as libertarão da areia movediça da vida sob o capitalismo. E embora esse dinheiro seja destinado a ajudar as “famílias trabalhadoras”, quase todo ele irá parar nas contas bancárias dos indivíduos antes de fluir aos bilhões para os bolsos dos proprietários, dos bancos, e de outros credores e aproveitadores. Das 50 maiores corporações existentes nos EUA, 45 floresceram durante a pandemia, arrecadando centenas de bilhões de dólares – enquanto demitiam milhões de trabalhadores.

Os trabalhadores precisam receber seu salário integral e ter permissão para ficar em casa se não estiverem em um setor essencial. Os forçados a trabalhar durante a pandemia devem receber todo o equipamento de segurança necessário e receber pelo menos o dobro de seus salários anteriores. Aluguéis atrasados, cartão de crédito, hipotecas, dívidas estudantis e outras devem ser liquidados. Os cuidados de saúde universais, gratuitos no local de atendimento, devem ser prestados a todos os residentes do país. Qualquer empresa lucrando com a miséria ou considerada “grande demais para falir” deve ser nacionalizada e administrada para o interesse público sob o controle democrático dos trabalhadores. Não se encontrará nenhuma dessas medidas desesperadamente necessárias entre as propostas de Biden!

Mesmo se os democratas aprovassem um salário-mínimo federal de US$ 15, isso seria apenas uma tentativa de se aproximar das reais necessidades dos trabalhadores e de suas famílias. Biden deixou bem claro que não pretende oferecer assistência médica universal. Voltar a aderir ao Acordo de Paris fará pouco para combater a catástrofe climática, que exigirá cruzar a linha da propriedade privada. O racismo não pode ser extirpado ou a brutalidade policial eliminada em uma sociedade onde a escassez artificial é usada para dividir e governar a maioria. Podemos ter certeza de que eles não revogarão as leis anti-trabalhistas, como Taft-Hartley, já que a classe capitalista lutaria contra isso com unhas e dentes. E mesmo uma taxa de imposto modestamente mais alta sobre os super-ricos significaria uma mera redução nos superlucros gerados por esses gigantes.

Embora haja algum tipo de lua de mel, a miséria e a instabilidade em curso acabarão por levar à ira contra este “novo” governo. Quer demore um, quatro ou mesmo oito anos, dezenas de milhões de apoiadores atuais se voltarão contra ele, juntando-se às dezenas de milhões que já são contra ele desde o primeiro dia. A verdadeira questão é: quando os trabalhadores se cansarem de mais uma administração democrata, haverá uma alternativa política de massa da classe trabalhadora para canalizar a desilusão e substituir os dois partidos principais? Ou as pessoas vão se voltar novamente para a demagogia trumpista raivosa? Ou talvez simplesmente para o desânimo da desmoralização apolítica?

Os marxistas entendem a importância de a classe trabalhadora construir um partido agora, mas isso requer forças de massa. No momento, nenhum setor da liderança sindical está se movendo nessa direção. Bernie Sanders e o “Esquadrão” atrelaram seu vagão firmemente no trem dos democratas. A revista Jacobin e a ala direita dos Socialistas Democráticos da América (DAS, na sigla em inglês) têm defendido essa política de colaboração de classes sem princípios. Quando as verdadeiras cores dos democratas forem mais uma vez reveladas para que todos as vejam, essas forças não serão vistas como diferentes dos Democratas, mas sim como sustentáculos do establishment capitalista.

O incrível movimento de protestos por George Floyd e o crescente interesse pelas ideias socialistas mostram o potencial para uma política revolucionária de massa neste país. Devemos começar a construir agora para o futuro. Devemos erguer nossa bandeira bem alto e defender implacavelmente uma política de classe de princípios, mesmo que seja uma bandeira modesta neste estágio. Como vimos ao longo de 2020, quando a classe trabalhadora se move, pode mudar as coisas rapidamente!

O que um verdadeiro socialista poderia fazer no Congresso

O apresentador de programas de entrevistas e comediante Jimmy Dore recentemente convocou Alexandra Ocasio-Cortez, membro do “Esquadrão” e o próprio “Esquadrão” a chegar a um acordo com Nancy Pelosi: seus votos para reelegê-la como presidente da Câmara, em troca de uma votação do plenário sobre “Medicare para todos”. Dore não gostou do apoio pouco crítico que o “Esquadrão” deu à liderança do Partido Democrata. Embora ele esteja certo em criticá-los, não achamos que sua estratégia de “negociação forçada” seja o caminho a seguir.

Se houvesse um congressista ou um grupo socialista genuíno, eles não votariam em nenhum presidente da Câmara de um partido burguês. Eles votariam contra os políticos capitalistas e explicariam que o que os trabalhadores precisam é de uma maioria socialista e de um presidente socialista. Eles usariam sua plataforma no Congresso para mobilizar e construir o movimento socialista e levantar um partido socialista de massas da classe trabalhadora, que poderia eventualmente ganhar o apoio da maioria. Eles explicariam que o futuro sob o capitalismo é sombrio, mas que a classe trabalhadora pode extinguir a escuridão com um governo próprio, que iria além dos limites capitalistas e implementaria políticas socialistas genuínas.

Os marxistas apóiam a luta por reformas significativas que resultem de concessões reais arrancadas da classe dominante. Essas reformas são só um subproduto da luta da classe trabalhadora nos locais de trabalho, nas ruas e politicamente. No entanto, a luta política requer uma expressão independente de classe na forma de um partido de massas, de, por e para a classe trabalhadora. À medida que um movimento político da classe trabalhadora toma forma e ganha impulso, ele pode forçar a classe dominante a fazer algumas concessões, mas a vida de exploração e opressão da classe trabalhadora só será fundamentalmente transformada com o fim do sistema capitalista.

A principal tarefa que a esquerda mais ampla e o movimento operário enfrentam é trabalhar no sentido de lançar as bases para esse partido de classe independente. Ninguém deve ter ilusões de que a pequena, fragmentada e atualmente politicamente insignificante esquerda pode de alguma forma “pressionar” Biden a fazer qualquer coisa que desafie seriamente o capitalismo. Como vimos, toda a razão de ser dos democratas é exatamente o oposto. O papel dos socialistas não é sustentar o sistema, mas ajudar a acelerar sua queda.

Se o DSA convocasse seus membros eleitos e outros candidatos a cargos a fazerem isso como independentes em vez de democratas, este seria um passo importante na direção de uma política de classe independente. Recentemente, a seção de Phoenix do DSA debateu isso e houve um apoio significativo para essa abordagem.

O capitalismo esgotou seu potencial historicamente progressivo e entrou em uma época de instabilidade e declínio. Embora isso não se desdobre em linha reta e possa haver períodos temporários de reanimação, não há como evitar. Se você acredita que um futuro fundamentalmente diferente é possível e quer ajudar a esmagadora maioria da sociedade a ver claramente seus interesses de classe e o caminho revolucionário a seguir, nós o convidamos a entrar em contato com a Corrente Marxista Internacional (CMI) e a trabalhar conosco nesta importante tarefa histórica.