Geração Z: uma luta por nosso futuro

Por todo o mundo, os jovens estão na linha de frente das lutas contra a exploração, a opressão e a repressão. O capitalismo não oferece qualquer futuro para a nova geração. Só o socialismo pode proporcionar um caminho a seguir.


[Source]

“Quem tem a juventude tem o futuro.” (Lenin)

“Da escola às desigualdades e desvantagens que estou enfrentando, tudo tem suas raízes na política e no governo. Ficou muito claro que temos um governo que só funciona bem para uns poucos, não para a maioria” (Mark Lehman, 16 anos de idade, estudante de South Shields).

Os jovens estão se levantando em todos os lugares, desafiando a velha ordem. Eles estão na linha de frente em todo o mundo – seja na Colômbia ou em Israel-Palestina – na luta contra a opressão.

Os jovens enfrentaram bravamente gás lacrimogêneo, balas de borracha e até munição real. Eles perderam o medo e estão tirando conclusões radicais – inclusive revolucionárias.

Nos EUA, eles lideraram os protestos em massa do Black Lives Matter. Em Mianmar, eles estão lutando contra os militares. Eles não têm alternativa a não ser assumir o controle do futuro.

Juventude em revolta

Em todas as revoluções da história, é a juventude que assume a liderança. Hoje não é diferente.

O capitalismo está afetando os jovens, as mulheres e todas as camadas mais oprimidas da sociedade. Eles estão enfrentando o pior da crise.

Esta geração está em situação pior do que a anterior. Eles não estão preparados para aceitar esse estado de coisas. A revolta está no ar contra este sistema capitalista falido.

Sem o peso das derrotas do passado, os jovens de hoje estão preparados para se levantar e serem levados em conta. Se não fizerem isso, ninguém mais o fará. A geração mais velha está se inspirando na determinação da juventude. É uma lufada de ar fresco.

Raiva e frustração

Quando The Guardian perguntou recentemente aos europeus que se encontram no final da adolescência e no início dos 20 anos de idade como a pandemia os fez se sentir, é possível que tenha esperado uma torrente de frustração: pela perda de empregos; pelas amizades atenuadas à força; pelas datas canceladas. No entanto, “O que aconteceu”, explicou o artigo do jornal, “foi uma crítica ao capitalismo”.

“Como seus predecessores nos levantes que se seguiram à crise de 2008, esta geração de jovens está pronta para tirar conclusões sistêmicas da maneira como as elites políticas lidaram com a pandemia”, escreve Paul Mason, apresentando uma visão com a qual podemos finalmente concordar. “Eles sabem que estarão … enfrentando mais incertezas do que qualquer geração desde a segunda guerra mundial”.

Mas Paul Mason está simplesmente declarando o que deveria ser óbvio para qualquer um que esteja preparado para ver. A raiva e a frustração entre os jovens são claras, na Grã-Bretanha e internacionalmente.

Mistura explosiva

Alguns falaram de uma “crise de meia-idade” aos 23 anos de idade. “Isso, como provavelmente veremos com a chegada do verão, é uma mistura explosiva”, escreve Mason.

Os jovens – Geração Z – entrevistados no Guardian contaram uma história semelhante. “Minha vida virou de cabeça para baixo”, diz um deles. “Minha vida às vezes parece sombria, sem perspectivas”.

“Portanto, nosso maior desafio é poder se erguer no mundo novamente e superar essa crise”, diz outro. “Acredito que estaremos mais conscientes de tudo no futuro”.

Um terceiro explica: “Estou muito mais ciente agora de como nós, como jovens, somos constantemente empurrados para o fim da fila”.

Cameron Dorling, 22 anos de idade, trabalhador de uma lavanderia em York, deu sua visão da vida profissional, que irá coincidir com a de milhões de outros jovens trabalhadores:

“O ano passado viu a destruição completa de minhas finanças pessoais … O crédito universal ajudou, mas não foi nem mesmo o suficiente para cobrir meu aluguel …

“Ter um contrato de zero horas parece que você está preso no fim de uma coleira. Ter que permanecer “flexível” e pronto para abandonar todos os planos se o “negócio assim o exigir” é uma maneira horrível de viver. Não quero ter que esperar até que meus pais morram para poder ter um lugar próprio para morar.

“Com mais empregos sendo automatizados, a oportunidade de trabalho caiu no Reino Unido. Os poucos empregos restantes são geralmente perigosos, monótonos ou exploradores. Isso só aumenta a divisão entre os mais ricos e os mais pobres. Eu vejo isso cada vez mais a cada dia”.

Crise do capitalismo

O capitalismo se tornou um beco sem saída. Apesar da perspectiva de uma “recuperação” breve e temporária, o sistema está cambaleando de crise em crise. As reformas do passado estão sendo minadas diariamente.

O sistema capitalista não pode mais permitir reformas duradouras. Na verdade, as contrarreformas estão na ordem do dia. A classe trabalhadora, especialmente a juventude, está sendo esmagada.

O futuro para os jovens sob esse sistema podre é sombrio. Ele está destruindo nosso planeta em sua busca pelo lucro e ao inferno com as consequências. Mas tudo isso está preparando uma reação poderosa, como nunca antes vista ou experimentada.

Os jovens nunca estiveram tão conscientes. Eles estão aprendendo muito rápido com sua própria experiência. Os políticos do establishment nada têm a oferecer, exceto o status quo. E, no entanto, a resistência está surgindo em todos os lugares.

Os protestos Black Lives Matter foram uma inspiração internacional. As lutas da juventude na Colômbia, Israel-Palestina, Mianmar e outros lugares são um farol de esperança. Elas devem alcançar a classe trabalhadora – a única força que tem o potencial de mudar a sociedade.

Alternativa socialista

O capitalismo não pode ser reformado. Precisará ser derrubado. A classe dominante nunca desistiu de seu poder e privilégios sem luta. Essa é a verdadeira lição da história.

Somente o marxismo tira essas conclusões com clareza, surgindo de uma compreensão científica da sociedade.

Com a derrubada do capitalismo e o estabelecimento de uma economia socialista, poderemos planejar os recursos do planeta para o benefício de todos, de forma sustentável.

Como Cameron Dorling, o jovem trabalhador entrevistado no Guardian, explicou:

“Existem muitos recursos disponíveis na Terra. Se compartilhados de forma responsável, todos os oito bilhões de nós poderíamos viver uma vida plena e feliz, sem destruir nossa conexão com o mundo natural”.

Mas isso só pode acontecer com base em uma economia socialista planejada e harmoniosa, quando o poder do capital for quebrado. Portanto, apelamos aos trabalhadores e jovens para se juntarem a nós nesta luta – a luta pelo nosso futuro.

Join Us

Join the International Marxist Tendency and help build a revolutionary organisation to participate in the struggle for socialism worldwide!

In order to join fill in this form and we will get back to you as soon as possible.