Não à intervenção imperialista no Haiti!

Canadá, Estados Unidos e Organização das Nações Unidas (ONU) discutem abertamente uma nova intervenção no Haiti.

[Source]

No dia 7 de outubro, o primeiro-ministro haitiano Ariel Henry solicitou oficialmente a intervenção militar estrangeira no país sob o pretexto de lutar contra gangues. Poucos dias depois, aeronaves militares canadenses e americanas coordenaram a chegada de veículos blindados destinados a reforçar a Polícia Nacional do Haiti (PNH).

Embora o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, tenha falado vagamente de “opções adicionais para diplomacia, assistência humanitária e estabilização” e afirmado que a solução deveria ser “liderada pelo Haiti” (implicando que tropas não serão enviadas), ele mencionou explicitamente sanções para “quebrar o ciclo de corrupção no Haiti” e “responsabilizar os responsáveis por esta crise”.

Entretanto, os Estados Unidos também levantaram a ideia de sanções e saíram favoráveis a uma “missão de segurança”, ainda que “liderada por um país parceiro”, dando a entender que não são os Estados Unidos que enviariam tropas diretamente.

Além disso, o secretário-geral da ONU, António Guterres, manifestou-se publicamente a favor do envio de uma força armada especial internacional. No momento em que este artigo é escrito, o Conselho de Segurança da ONU acaba de anunciar que serão impostas sanções às gangues, em particular a Jimmy “Barbecue” Chérizier, líder do mais poderoso deles, o “G9”. O representante dos Estados Unidos no Conselho afirma que esta é uma “resposta inicial” que poderia, portanto, ser seguida de outras ações.

Os detalhes de como seria uma intervenção permanecem obscuros e os imperialistas não parecem estar em completo acordo entre si. Mas aconteça o que acontecer, se há uma coisa que podemos aprender com a história do Haiti, e em particular com a história recente, é que qualquer intervenção das grandes potências capitalistas só trouxe sofrimento aos trabalhadores e aos pobres do país. Por isso, dizemos: não a uma intervenção imperialista no Haiti!

O papel do imperialismo no Haiti

O Estado haitiano está em decadência. O primeiro-ministro Henry atua como presidente sem nunca ter sido eleito, o Senado e a Câmara dos Deputados não têm mais assento e grande parte da economia é controlada pelas gangues. A poderosa quadrilha “G9” liderada por Chérizier está agora tentando conquistar um lugar no gabinete do governo e bloqueia o principal terminal de petróleo de Porto Príncipe, por onde passa 70% do petróleo do país, para manter este governo refém. O que resta do Estado haitiano está desmoronando em favor das gangues. Os trabalhadores e os pobres são as primeiras vítimas desta situação.

Os governos canadense e norte-americano dizem só querem proteger o reino da “lei” no Haiti e combater o “caos” que reina. Mas eles nunca discutem como o país chegou a esse caos.

Na realidade, são os próprios imperialistas, e mais ninguém, os principais responsáveis pela miséria que aflige o Haiti.

Embora a ingerência imperialista tenha uma longa história no país, a situação atual remonta a 2004. O governo de Jean-Bertrand Aristide, eleito por ampla maioria sob um programa de reformas progressistas, foi derrubado por uma coalizão na qual o Canadá desempenhou um papel fundamental. Já em 2003, o governo canadense tinha organizado uma reunião secreta em Meech Lake com representantes de vários países onde a ideia de derrubar Aristide foi discutida. Aristide aterrorizou os imperialistas e suas empresas privadas com suas críticas aos Estados Unidos, seu programa para aumentar o salário mínimo e o padrão de vida das massas. Por exemplo, o fabricante de roupas canadense Gildan Activewear (que oferece de salários baixíssimos no Haiti e em outros lugares) estava entre os opositores ferrenhos de Aristide e seu programa e apoiou financeiramente o golpe.

Em 29 de fevereiro de 2004, os americanos tiraram Aristide do país de avião, enquanto as forças canadenses garantiram o aeroporto, e o golpe de Estado venceu. Não é insignificante notar que Ariel Henry fazia parte do “Conselho dos Sábios”, um grupo não eleito formado sob a égide americana após o golpe para escolher de forma igualmente antidemocrática quem substituiria Aristide.

As misérias dos trabalhadores e pobres do Haiti só piorou desde então. De 2004 a 2017, o país esteve sob a ocupação das forças da ONU, a chamada “Missão das Nações Unidas Para a Estabilização do Haiti” (Minustah). Essas forças supostamente democráticas proibiram Aristide de retornar ao país e seu partido, Fanmi Lavalas, de concorrer às eleições.

Os Capacetes Azuis, supostamente foram enviados para levar a paz, em vez disso, fomentaram o terror e o sofrimento. Os imperialistas lamentam o recente ressurgimento da cólera, mas foram os próprios pacificadores que importaram o vírus! Esses pacificadores reprimiram a população, invadindo bairros pobres e atacando especificamente os partidários de Aristide. Um soldado brasileiro confessou em 2006: “A verdade é que não passa um dia sem que as tropas da ONU matem um haitiano em uma troca de tiros. Eu mesmo matei dois, e outros não me virei para verificar”. Como se isso não bastasse, as forças de paz cometeram crimes sexuais contra milhares de mulheres e meninas.

Em 2008, um embaixador americano revelou o verdadeiro objetivo da Minustah:

“Uma saída prematura da MINUSTAH deixaria o governo [haitiano]… vulnerável a… forças políticas populistas e antimercado ressurgentes – revertendo os ganhos dos últimos dois anos. A MINUSTAH é uma ferramenta indispensável para alcançar os interesses fundamentais do [governo dos EUA] no Haiti” (destaque do autor).

Assim, a ditadura da ONU teve como objetivo lutar contra aqueles que se opõem ao mercado capitalista.

Os imperialistas canadenses, norte-americanos e ocidentais em geral não têm o direito de invocar o sofrimento do Haiti. Eles são seus cúmplices diretos. É a miséria que eles cultivam há décadas que leva camadas de haitianos a se juntarem às gangues.

Por que agora?

O Haiti tem sido um barril de pólvora social por vários anos. Desde o fim da ocupação da ONU em 2017, o país mergulhou em uma crise atrás da outra. O governo de Jovenel Moïse e seu partido PHTK, aliado do imperialismo no poder desde 2017, alienou todos os trabalhadores e pobres com sua corrupção e o empobrecimento geral imposto à população.

Moïse caminhava para instaurar uma ditadura antes de seu assassinato em julho de 2021 – Ministerio de Relaciones Exteriores

Em 2018, uma revolta em massa seguiu uma tentativa do governo de acabar com os subsídios aos combustíveis, a pedido do Fundo Monetário Internacional. A maioria dos trabalhadores e pobres do Haiti precisa de querosene como fonte de energia em casa e depende desses subsídios para obtê-lo. A revolta forçou o governo a recuar.

No início de 2019, manifestações e uma greve geral exigiram a saída do presidente corrupto. No verão de 2020, outros protestos em massa ocorreram.

Então, o presidente Moïse simplesmente ignorou a necessidade de realizar novas eleições e estava caminhando para uma ditadura antes de seu assassinato em julho de 2021.

O governo haitiano já havia solicitado a intervenção de tropas estrangeiras no verão de 2021 para ajudar a administrar a era pós-Moïse. A chamada não teve resultados. Os imperialistas não tinham pressa em voltar ao Haiti. Eles entendem que a última intervenção da ONU deixou cólera, crimes sexuais e violência em seu caminho, e que as massas não estão particularmente interessadas em reviver isso nas mãos de forças de paz.

Mas a situação mudou desde então. Os imperialistas esperavam que Ariel Henry conseguisse estabilizar a situação após o assassinato de Jovenel Moïse, mas aconteceu o contrário. Henry dissolveu o conselho eleitoral provisório em 27 de setembro de 2021, que de fato adia as eleições. Henry, como o presidente Jovenel Moïse antes dele, preside uma ditadura de fato.

E em 11 de setembro, esse governo ilegítimo retirou os subsídios aos combustíveis, causando um aumento drástico nos preços na bomba. Combinado com um aumento de 52% na cesta básica, as massas estão fartas e o governo PTHK mais uma vez se depara com um movimento de massa e protestos em todo o país.

É neste contexto que a quadrilha do G9 bloqueou o terminal petrolífero de Porto Príncipe, um dia após o anúncio do fim dos subsídios. A gangue também quer a queda de Henry, ainda que tenha sido apoiada por ele no ano passado em sua tomada do poder.

Os imperialistas, portanto, enfrentam a possibilidade real de que seu aliado Henry seja derrubado, o que abriria um período ainda mais instável e imprevisível. Do ponto de vista do imperialismo, seria ainda pior se Henry fosse derrubado por um movimento de massas de trabalhadores e pobres como o que está acontecendo agora. É por isso que as discussões sobre alguma forma de intervenção se intensificaram.

No Canadá, nosso primeiro dever é opor-se ao nosso próprio imperialismo. Devemos nos opor a qualquer forma de sanções econômicas, ao envio de caminhões ou armas para reforçar a polícia, ou mesmo a uma intervenção militar. No que diz respeito às sanções “para romper o ciclo da corrupção”, é uma missão impossível, pois toda a elite e o Estado são corruptos até o âmago!

Também sabemos pela experiência do Irã que o preço das sanções simplesmente será transferido de uma forma ou de outra para os pobres, e eles são os que mais sofrerão. Quaisquer sanções terão pouco impacto, ou permitirão que figuras sancionadas despertem sentimentos anti-imperialistas para seus próprios fins.

Além disso, qualquer reforço do que resta do Estado haitiano ou da Polícia Nacional do Haiti aumentaria sua capacidade de reprimir os trabalhadores e os pobres. Foi o que vimos em 17 de outubro passado, quando milhares de manifestantes saíram às ruas por iniciativa da organização de esquerda Pitit Dessalines para exigir a renúncia de Henry e denunciar a possibilidade de intervenção imperialista. Eles foram recebidos com gás lacrimogêneo da PNH. Mais repressão e mais pobreza é o que espera as massas, seja por meio da camarilha corrupta de Henry ou das gangues que se encontram no poder. Todos eles servem às elites haitianas que perpetuam a exploração dos pobres.

Da mesma forma, não está claro onde o Estado termina e as gangues começam. Ou seja, fortalecer o Estado haitiano pode servir às gangues. Os imperialistas, a propósito, não tinham problemas com gangues desde que elas não se voltassem contra seu fantoche Henry. Os imperialistas pouco se importam com o sofrimento dos haitianos e o poder das gangues. Eles falam em combater a corrupção enquanto apoiam até os ossos um regime corrupto e responsável pelo desvio de bilhões de dólares através do escândalo PetroCaribe. A hipocrisia deles não conhece limites. Eles só se importam agora que seu aliado está com problemas e as massas estão em movimento.

As massas se levantam: a única maneira

O Haiti nasceu da revolução escrava de 1791-1804, um dos eventos mais inspiradores da história humana. Pela primeira vez, escravos se levantaram contra seus senhores e venceram. Esta orgulhosa tradição de luta está bem viva hoje. Vemos isso nos movimentos de massa dos últimos anos, incluindo o atual.

Da mesma forma, as massas haitianas têm uma desconfiança saudável dos imperialistas que destruíram seu país. Durante a manifestação de 17 de outubro, o líder do Pitit Dessalines afirmou em frente à embaixada americana: “O Haiti é um grande povo. Não somos o seu quintal”. Nos protestos das últimas semanas, pode-se ver muitos símbolos anti-imperialistas, por exemplo, este caixão com a foto de Henry, envolto em bandeiras norte-americanas, canadenses e francesas:

 Os imperialistas mergulharam o Haiti em uma miséria sem paralelo no continente americano. Contar com a ajuda da ONU, dos Estados Unidos ou do Canadá é como contar com um incendiário para apagar o fogo.

O capitalismo haitiano como um todo está podre até o âmago e deve ser derrubado. A melhor demonstração de solidariedade que podemos dar aqui no Canadá é se opor a qualquer interferência no Haiti e lutar para derrubar nossa própria classe dominante. A tarefa de derrubar o governo corrupto de Henry e eliminar o poder das gangues pertence aos próprios trabalhadores do Haiti. Isso só pode ser feito através de uma revolução socialista.

  • Tire as mãos do Haiti! Não à intervenção imperialista!
  • Não ao capitalismo – por uma revolução socialista no Haiti!