Portuguese

O Comitê Central (CC) da Esquerda Marxista (EM) reuniu-se no dia 18 de abril de 2020. Esta foi a segunda reunião da direção da organização após o início da pandemia (ver aqui a resolução do CC de 22 de março). Esta reunião discutiu os desenvolvimentos desta situação política inédita que estamos atravessando e as tarefas de construção da organização revolucionária reafirmando os princípios do bolchevismo.

O homem mais rico do Egito provocou indignação ao sugerir que “a vida deve continuar” após a pandemia de coronavírus: ou seja, que os negócios devem retomar o mais rápido possível, seja isso seguro ou não para os trabalhadores, a fim de manter os lucros. Isso revela o total desprezo da burguesia egípcia em relação às pessoas comuns, cuja raiva de classe está borbulhando logo abaixo da superfície.

Por causa da crise causada pela Covid-19, tem se falado muito ultimamente sobre uma “fase 2”, etapa intermediária que deve levar gradualmente ao retorno às atividades produtivas. No entanto, parece haver ainda algumas divergências sobre o que fazer.

Uma divisão aberta surgiu dentro dos conservadores, entre aqueles que estão desesperados para que os negócios voltem ao normal; e aqueles que têm medo da reação, se a riqueza privada for colocada acima da saúde pública. Devemos lutar para colocar a vida antes dos lucros.

O último discurso de Macron confirmou que sua prioridade não é salvar o máximo de vidas possível, mas sim os lucros dos capitalistas. O que ele anunciou foi marcado pela defesa dos interesses materiais da classe dominante. O Movimento das Empresas da França (Medef) o parabenizou.

A pandemia de coronavírus é um ponto de virada na história. A economia mundial está recebendo um golpe selvagem após outro. Os sistemas de saúde estão totalmente sobrecarregados nos países capitalistas avançados como resultado de décadas de ataques aos padrões de vida. A natureza ineficiente e horripilante do capitalismo está em plena exibição no ocidente, onde as pessoas até recentemente desfrutavam pelo menos de uma existência semicivilizada. Na África, Ásia e América Latina, as consequências de um surto em grande escala serão catastróficas.

Um espírito revolucionário move cada compasso das sinfonias de Beethoven, especialmente a Quinta. Os famosos compassos de abertura dessa obra (ouça) foram comparados ao Destino batendo à porta. Esses golpes de martelo são talvez a abertura mais marcante de toda a história da música. O maestro Nikolaus Harnancourt, cujo ciclo gravado das sinfonias de Beethoven foi amplamente aclamado, disse sobre essa sinfonia: “Isso não é música; é agitação política. Está nos dizendo: o mundo que temos não é bom. Vamos mudá-lo! Vamos!” Outro maestro e musicólogo famoso, John Elliot Gardener, descobriu que todos os principais temas

...

Se algum compositor merece o nome de revolucionário, é Ludwig van Beethoven. Ele realizou aquela que foi provavelmente a maior revolução da música moderna e mudou a maneira como a música era composta e ouvida. É uma música que não acalma, mas choca e perturba. Alan Woods descreve como o mundo em que Beethoven nasceu era um mundo em turbulência, um mundo em transição, um mundo de guerras, revolução e contrarrevolução: um mundo como o nosso próprio mundo.

Na semana passada, o imperialismo dos EUA aumentou seus níveis de agressão contra o governo da Venezuela. Essas escaladas incluem acusações de tráfico de drogas contra Maduro e 13 altos funcionários do Estado, um novo plano de terrorismo e assassinato a ser realizado a partir do território colombiano e o anúncio do governo Trump de um novo plano de transição em nosso país – sem Maduro e sem Guaidó – com um levantamento gradual das sanções econômicas. Agora podemos adicionar a esta lista o envio de forças navais perto da costa venezuelana no Caribe, sob a desculpa de uma “operação antidrogas”.

Bernie Sanders está fora da corrida. Este é um soco no estômago para milhões de pessoas que esperavam que sua campanha oferecesse um caminho a seguir – uma forma de se lutar contra os bilionários que governam os EUA. Mas também é um ponto de inflexão. Para milhões, esta será a gota d’água. Esta será a última vez que eles tentarão trabalhar dentro do sistema bipartidário dos capitalistas.

Nos últimos dias, houve uma escalada perigosa nas ameaças e provocações de Washington contra a Venezuela. O Departamento de Justiça dos EUA indiciou o presidente Maduro e outras autoridades venezuelanas por acusações de narcotráfico, entre outras coisas. Isso foi apoiado pelo Departamento de Estado dos EUA, oferecendo recompensas de até US$ 15 milhões por “informações que levarem à prisão” dos indiciados. Imediatamente, o presidente dos EUA, Trump, anunciou que estava enviando navios de guerra para o Caribe, na costa da Venezuela, com o objetivo de combater o “contrabando de drogas”.

Houve um tempo em que as notícias de um escândalo no Vaticano chocavam o mundo. No entanto, à medida que relato após relato é revelado, e o número global de católicos diminui, a simples menção a padres, ao Vaticano e até ao próprio papa evoca imagens de corrupção, decadência e depravação. Isso resume a natureza podre das instituições religiosas que têm sido uma das colunas da sociedade de classes há tanto tempo.

Somos um grupo de ativistas sindicais italianos, reunidos para discutir a dramática crise que está afetando a Itália e toda a humanidade. Estamos emitindo esse apelo aos trabalhadores do mundo, porque este não é um problema italiano, mas internacional. O vírus não reconhece fronteiras nacionais. Do mesmo modo, a crise econômica não para nas fronteiras. Acreditamos que nossa experiência tem muitas lições para trabalhadores de outros países.

Desde que o primeiro caso de Covid-19 foi identificado no dia 13 de março, o Amazonas já soma 229 pessoas confirmadas com o novo coronavírus. A maior parte está em Manaus, mas o interior já tem 24 pessoas diagnosticadas.

A crise provocada pelo coronavírus já começou a causar gargalos no transporte de carga no Brasil, o que demonstra as fragilidades de nosso sistema, devido ao monopólio do setor rodoviário no transporte de cargas gerais.

O coronavírus chegou nas imensas favelas do Rio de Janeiro. O número de casos de moradores de favelas (bairros proletários) contaminados pode ser difícil de conhecer, pois a contagem e o registro tem sido feito por bairros oficialmente reconhecidos e não por favelas.